Seguidores

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Eu e tantos eus

Eu
E esses tantos Eus
Deus
O devir da natureza
A dialética do pensamento
Do homemulher(ers)
Fernando Pessoa
Tinha tantos Eus
E um monte de poetas
Cada um tinha um nome
Mais devia ter mais
Ainda bem que li Lacan
Li o Lobo da Estepe
Li a Mensagem de Fernando Pessoa
E suas outras pessoas
Não me comparo  eles
Leio seus versos
Aplico na alma
Nas artérias
E em cada tecla da máquina de escrever
Desligo a TV
E vou Lê um Thomas Mann
E talvez amanhã
Eu vá á Jaçanã
Eu sou u8m pobre poeta
Rimas pobres
Algibeira sem nenhum vintém
Exagero
Tem sim alguns
Sou poeta mais sei vender
Pirulitos
Declamar uns poemas
A vida depende de um Stender
De gotas anticoagulantes
A variante de Karpov
Levou-me ao Hospital
Desligo sem entender
Tenha um brusco AVC
Nunca vou esquecer a Loló
Tentando me lamber
Minha doce esposa
Levanto-me do chão
Mi hija Ella levanta El dorso
Um AVC
A morte lambe teu coração
Para a medicina parece não
Ser nada
Com uma carótida entupida
Placas de lipídios deslocando-se
Pelas as artérias
A outra carótida está com um
Stender
Tomando umas vinte pílulas
Dieta sem sal
Sem açucares
Mas eu sei de mim
Mesmo que seja pouca
Tenho agora uma alma
De metal
A vértebra L2 fraturada
Mais minha medula
Não foi afetada
E minhas vértebras colaram-se
Agora sou um homem rico
E feliz
Sou filho do dono do mundo
A ele peço luz aos meus olhos
Acordes aos meus ouvidos
E  poesias ao meu coração
Gosto desta forma neo-concreta
Meio Gullar
Estou lendo Haroldo Campos
Galáxias
Estou subindo uma Montanha Mágica
Eu sei que meu amanhã
Será lindo
Quero terminar esta vida
Conversando com bem -te –vis
E lendo poemas em Árabe
Spinoza nos colocou imersos
Mergulhados em Deus
Deus é um conceito pela qual
Medimos  nossa alma
Ele está contido no pensamento
Não conseguimos pensar este conceito
Ele está no pensamento em si
Um espantalho me falou
Somos  seres imersos na eternidade
No horizonte azul
Banhado de estrelas
E um lindo luar
E uma galáxia espiralando
Nossos nervos
Nossas vísceras
Minha alma de metal
Não deixou de entender
O Amor
Nem de te amar-te
Por ti vou a Marte
Escrever poemas nas peles
De Fobos e Demos












2 comentários:

  1. Sei, descobriste outros eus
    Todos eles filhos dum deus
    Pois só não lhes diga adeus
    Porque eles são todos seus.

    ResponderExcluir
  2. Não nem querem ir embora
    quem vos fala é o Eu que demora
    mais um pouco
    neste poeta louco insano

    ResponderExcluir