Seguidores

sábado, 6 de julho de 2019

houve um tempo


Houve um tempo que meu amigo era uma garrafa
De conhaque
Uma caixa de cigarro Calton
Uma vitrola amarela arranhada
Rolando um Pink Floyd
Houve um tempo que passeava pelo cemitério
Sentava no túmulo de Vespasiano Ramos
E declamava os sonetos de Cousa Alguma
Clareado pelas velas que derramavam sua cera
Macabra
Por um luar ambarino perpassado por nuvens escuras
Penumbras sombrias
Estrelas apagadas
Perambulava solitários por ruas de filamentos apagados
Escuros muros pichados de riscos loucos
Sentimentos de bardos embriagados
Por poemas soturnos
Noturno sorumbático lunático
A donzela que eu amava sonhava gamava
Nem olhava pra mim
As flores do jardim derramavam nos seus orvalhos
Que eram minhas lágrimas
Sonhava profundos devaneios pesadelos paranóias
Meus poemas de cabeceira
Eram pedaços de versos de


Byron
E Álvares de Azevedo
Um Abajur quase apagado por mariposas
Impertinentes
Uma faca amolada na bainha
Um estojo amassado de barbitúricos
Um cinzeiro
Um velho isqueiro zipo
Uma Mariajuana proibida dada uns pau
Meio copo de  água
Houve um tempo de madrugadas
Levadas pela fumaça dos cigarros
Pelos goles de gim
Por acordes de um violão apaixonado
Versos inacabados
Realejo mal soprado
Sol que assustava meu vampiro
Luar que iluminava minha desesperança
E deixava meus poetas mui locos
Meus versos incoerentes
Meus bolsos sem documentos
Minha vida um barco sem velas
Um mar de ondas bravias
Sem albatrozes e farol
Uma rua que não me levava a lugar nalgum

                                       Luiz Alfredo - poeta


domingo, 16 de junho de 2019

apenas poesia


Fazer poesia pra tocar por pão
Pedaços de metal
Vinténs
Não
Fazer poesia para alimentar a alma
E o coração
Ser poeta não apenas por ensino
De UF
Academias
Pelo ensino
Mas por destino
Escrever nas folhas mortas da vida
Na tela da mente atordoada
Por alcalóide
E pela própria vida
Não pelo a escola
Mas pela viola ávida de cantos
Seguir meu destino de trovador
Sem pátria
Sem fronteiras
Sem amor
Apenas ser pássaro osculando
Versos para a lua
Para o sol
Para flor
E para Deus



sexta-feira, 14 de junho de 2019

manchado


Não gostei deste concreto
E terminei-o com cal
Ficou um poema manchado
E o grafite chateado...

quarta-feira, 6 de março de 2019

PVH


Sem Mellem
Sem alguém
Sem ti
Sem o Guarani
Sem as balas do Giuliano Gema
De hortelã
Anis
Sem o Cine Brasil
Depois um suco de cupu
No bar do Arara
Um guaraná  Marau
Ou Tuchau
No Café Santos
Uma salteña no J. Lima
Sem o Resky
Um kibe no Almanara
A Bringite Bardor
Sem o teu amar
Um licor de jenipapo
Sem aquele papo no canto
Sem o teu encanto
A poesia do Bolivar
Sem aquele bar
As jujubas coloridas
O chiclete ploc
Suas figurinhas
Um sabor pregado
Nos dentes
Bolinhas no ar
Sem ti
Sem o gibi
Da Brotoeja
Arqueja meu pobre
Coração
O trem da EFMM
O filme acabou
Não tem mais bilheteria
O tempo passou
E não volta jamais...

                    Luiz Alfredo - poeta



domingo, 3 de março de 2019

mal-me-quer


Mal-me-quer

Despetalei um mal-me-quer
Fiz um soneto de pétalas
Queria ser um Mallarmé
Ser lido por cada uma delas

Um soneto de orvalhos
Com os raios do luar
Caí gotas dos galhos
Conjugo o verbo amar

Vem a negação do não
O positivo do sim
Advérbio de negação

Vem o amor até que no fim
Pétalas dizem sangrando
Que se pode amar enfim

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Esquinas de PV


Cuidado que naquela esquina
Tem o sorriso da mina
Bela e traquina
A ladeira que me leva pro lado
De cima
A avenida que nunca termina
Os versos recitados cantados
Pichados
Do Binho
Bahia
E do Mado...
Tem o tacacá com murupi
Jambu e tucupi
O Bairro Caiari
Tucumã
A vila Tupi
O bardo Tupinambá
O bando alvoroçado de araras
E o balé das andorinhas
O emoliente dormente caliente
Tacacá
Os acordes dolentes do Bado
A cá saudade do sanhaçu
Peito-roxo
O canto da sabiá
Azulão sanhaçu
O doce de cupuaçu
O arrulho do nambu
Do jardim de bambu
Ipê roxo
O canto da juriti
O campo úmido de buriti
Saudades de ti
Meu Porto Velho
Maria Fumaça
Que vem e que passa
Para Guajará-Mirim
Ai de mim
Pobre poeta no vão
De galáxias
Uma crônica do Basinho
Uma música do Laio
Um barzinho
A branquinha tatuzinho
De soslaio olho este arrebol
Do mirante
Por um instante o sol de Calama
Aquela cunhã
A sapecada curimatã
afã
O translúcido esverdeado lago
Do cuniã
Trago o sonho da doida manhã
Rede de tucum
Enrolando um
Um té de mate
De arremate uma pamonha
Uma...
Torradas com geléia de avelã
Cuia de açaí patuá
Pupunha e tucumã
Ainda não sei viver sem você
Minha PV...
Nem sei quando ainda
Vou te ver
Mas levo tuas lembranças
No meu melancólico coração
Alto do Bode
Vê se pode
Baixa da União
Ramal São Domingos
Cai n’água
Rua do Coqueiro
Três bueiros
Rio Madeira
Mucambo
Travessa Mamoré
Igarapé Grande
Triangulo muito blues
Carimbos boleros mambos
Biribas jambos
Sonho Azul

E no meu doce viver...
Vou levando você







quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Lembranças Líricas






Bilac das janelas falando com as estrelas
Castro Alves ouve as o sangrento oceano
Gregório ri e debocha do império insano
Andando na corte e fazendo versos pra elas

Álvares de Azevedo tal amor é engano
Insone sonha com a irmã e com as donzelas
Apaixonado embriagado bardo profano
Musas imaginárias pálidas singelas

Casimiro de Abreu curumim leviano
Junqueira Freire amando ávido pensa nelas
Sou andarilho levando este meu alude cigano

Antigas cantigas andanças e quirelas
Aguardentes absinto conhaque e cinzano
Perambulando breus asfaltos paralelas

                   Luiz Alfredo - poeta